un’ ora ti vorrei / for 1 hour

alina marazzi

2002 | Itália | DOC / EXP | 55 '

A minha mãe nasceu em 1938 e morreu em 1972, quando eu tinha 7 anos de idade. Não tenho muitas lembranças dela, mas sempre soube que toda a memória visual da minha família estava trancada dentro de um armário na casa do meu avô. Este armário continha caixas de filme velho 16mm, filmes amadores que meu avô filmou entre 1926 e os anos 70. Foi só depois de muitos anos, como mulher crescida, que eu ousei olhar para esses filmes pela primeira vez, com grande curiosidade e emoção forte, especialmente aqueles marcados com um "L", a inicial do nome de minha mãe: Liseli. Como por magia, a pessoa misteriosa e desconhecida projetada na tela na minha frente parecia estar viva. Em apenas um segundo fui atirada de volta ao passado, na época em que a minha mãe viveu. Minha mãe, que eu conheci muito pouco e que tinha na maioria esquecido. O filme começa com a gravação de som de um disco de 45 rpm com a verdadeira voz da minha mãe falando comigo; e vai entrelaçando com leituras de cartas e diários privados escritos pela minha mãe e relatórios médicos dos hospitais onde minha mãe passou vários períodos. Através destas palavras, é possível reconstruir sua vida inteira nos diferentes momentos: infância, amor, família, doença, mal-estar existencial.

biografia

Alina Marazzi é realizadora de cinema e documentário. O seu corpo principal de trabalho centra-se na subjetividade feminina, na maternidade e na memória: Un'Ora sola ti vorrei – Por mais uma hora contigo (2002) é seu primeiro filme pessoal, uma montagem dos seus homemovies de família, que conta a vida perdida da sua mãe. Per Sempre – Forever (2005) é um documentário sobre freiras claustro. Vogliamo anche le rose – We want roses too (2007) – uma longa-metragem documental – fala das vidas e experiências das mulheres italianas durante a revolução sexual na década de 1970, inteiramente feito com imagens de arquivo e escritos pessoais das mulheres da época. Tutto parla di Te - Tudo sobre você (2013) aborda a questão controversa dos sentimentos ambivalentes na maternidade; uma ficção entrelaçada com materiais documentais, homemovies e animação com stopmotion. No Teatro, produziu os vídeos de multi-ecrã projetados para Il Sogno di una cosa, uma ópera de música contemporânea por Mauro Montalbetti. Confini – Borderlands é o seu mais recente trabalho, uma curta-metragem de montagem com base em imagens de arquivo da WWI com a poetisa Mariangela Gualtieri lendo os seus poemas.

voltar